domingo, 30 de novembro de 2008

Gotas que Não molham.


É nestes dias de chuvas que podemos aproveitar para "descansar" um pouco do corre-corre diário e intenso.

Assim como que aproveitando a alegria da chuva que cai dum lugar ao qual chamamos céu, vamos aproveitando esta pausa e permanência em abrigos...para perceber onde estão algumas rachadelas ou pontos incompletos que deixam penetrar esta chuva que não molha, mas enche!

É...ela vai caindo certinha como uma bênção vindo dos céus, mas nem toda ela molha e é uma bênção.
Penso que já nem faz feridas já, esta chuva que cai.
Assim de um ponto quase que estratégico pode-se observar que ela vai caindo, caindo, caindo...mas apenas faz bolhas quando os seus pingos embatem nos charcos ou em algo de maior dimensão como um rio ou mar!

Passa-se tanto tempo a tentar fazer crescer algo que nos mostre um caminho, uma certeza. Só que por vezes já estamos tão cheios, tão fartos, tão cansados que as gotas caem e apenas fazem encher...não molham mais.

Algo está errado, mas vou continuando o caminho para perceber o que!

Se tivesse umas asas...e sobrevoasse os céus que veria eu? Talvez estas asas fossem...pretas e então não seria eu um anjo e sim um reflexo do que me rodeia. Sobrevoaria e os meus olhos se perderiam num cenário que até eu por vezes tenho esquecer que existe...mas sinto-o sempre presente.

Sinto, esta sociedade que tantas vezes me cerca e me julga, a perder todos os valores e todos os sonhos.
Como criança era sonhador e cada gota batia-me forte e molhava-me intensamente...hummm, e como eu gostava de ficar doente!

Hoje as gotas não molham e não me deixam doente, apenas fazem bolhinhas quando embatem em mim deixando-me cada vez mais cheio e sem resistência.

Às vezes gostava de ser apenas uma gota, simples gota que não se preocupa onde cai e não quer saber a sua missão...apenas cair devagarinho sem rumo, sem força, sem afectar nada.

Um dia vou pendurar-me ao sol e vou libertar-me destas gotas que não molham, mas enchem!


Beijos e abraços para todos...




Frequência de Vida: Broken







sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Um pouco de Ti!

Seguras nas mãos um Globo que pensavas inocentemente ser azul...terá espasmos de cor por ventura, mas direi que antes se descreve por tons cinzento e uns brancos magníficos, mas detentores de pouco espaço visível e temporal.

Por vezes sentes que, por alguma razão, não deverias permanecer aqui, perto de tudo e apenas com uma transparência que acaba por te tornar invisível. Esta invisibilidade que para ti te desgasta e derrota, sem piedade ou cumplicidade deste Globo, que na mais nu das crueldades se ri no teu rosto tão límpido como oculto e te mata.

Mas nunca desistes e isso faz de ti alguém que na profundeza do teu verdadeiro Ser, pode ser entendido como um Ser Humano diferente.

Detestas que te descrevam como um Ser especial e serenamente justificas que não, apenas mais um Ser no meio deste Globo a transbordar de Vidas perdidas e achadas.

Sem saberes vais destruindo na tua passagem cenários de magias e perfeições que tocam o irreal...e no entanto tão saborosas como as que crias, idolatras e constróis na tua cabeça.

Quantas vezes não jogaste os dados numa arena na busca de percepções, olhares, consistência...procura da magia que criaras no teu imaginário de emoções e sentimentos ténues de quem navega sem conhecimentos e apenas confiando nos ventos.

Sentes o som dos bombos a chegar e no nevoeiro ainda não vislumbras qualquer aparência com forma ou cheiro...apenas sentes o coração a vibrar por mais uma chegada a lugar desconhecido.

Como que ostentando o peso de uma humanidade, ergues-te na proa da tua viagem e com um ar de criança deixas os teus olhos criarem a ilusão do engano e com voz de comando soas a ordem do nada, quando paralelamente cresce em ti um friozinho pela espinha, provocado pelo aroma do visto e novamente ignorado...apenas porque não suportas mais esta luta desigual.

Saber o porque dos sonhos, o porque destes sabores que sentes, quando por demérito teu denotas que nada fazes e por essa mesma razão nem devias estar a questionar esta ideia.

Na verdade sentes que por momentos seguraste as chaves das portas, mas as ruas estão cada dia mais frias e os tons cinzentos crescem com uma força vazia de esperanças e coragens.
Os ventos já sopraram fortes e com Vida, mas agora sentes que não conheces estes novos ventos, mas pior seria não tentares....

Então sem explicações possíveis e conquistáveis de um ser terreno sozinho e abandonado, tu depositas as tuas últimas forças, esperanças e coragens num espelho que sempre foi a tua vida e um espaço vazio começa a preencher-se.

Nesta lucidez que dirias louca, tu apostas tudo apenas na tua procura e no fundo voltas a escutar os tambores a crescer...crescer, crescer e voltas a sentir que não dormes sozinho.


Escuta esses Tambores, esses Bombos a crescer...



Frequência de Vida: Coldplay - Viva La Vida





terça-feira, 4 de novembro de 2008

Dificuldades...Problemas...

Que movimentações acontecem quando tu não estás atento?

Que loucuras passam por ti sem sequer mexer um pouco contigo. Porque é que estás distraído, quando à tua volta respiram últimos fôlegos vivos?

Como serias capaz de explicar as tuas dificuldades, os teus problemas se quando olhas para ti não sentes nada de errado...ou mergulhas na crença de ser horrivelmente feio!

Não sinto que os problemas sejam definição de insegurança, de impossibilidades, de indecisões, de sofrimento, de repressão ou angústias. Talvez nunca se saiba como entender o problema verdadeiramente e o que procuramos e chamamos solução, no fim sejam apenas ilusões ou recursos vis de quem nada tem a perder ou a ganhar com essa procura aparente de resolução.

Porque não ser eu o próprio problema, porque dizer só que o enfrento e não que faço parte dele?

Porque não dormir com ele, aconchegar-lhe as mantas e mima-lo.



...buffffffffffffffffffff...


...na verdade, ele é o nosso verdadeiro "amigo", é fiel e não nos abandona.

Sente-se sozinho e persegue-nos quando não o queremos!

Ele é o auge máximo do valor desta palavra...persistência! Como que se de um ser vivo se tratasse, respirando o mesmo ar que eu e partilhando as minhas visões. Quando se sente à vontade comigo é destemido e usa os meus olhos para se alimentar e engendrar julgamentos que nunca serão da sua competência.

Mas no entanto ele faz isso com a maior das despretensões, sem pedir ou medir os efeitos do seu egocentrismo. Assume características de uma forma maravilhosa de vida que existe...a do Ser Humano.

Ele e outros seus amigos que vão entrando sem convite nesta morada, envelhecem-me e caminham ao meu lado sempre!

Então o porque da procura de respostas?
Parece ser um acto fútil, com um objectivo aparentemente de despender energias.

Ele é assim mesmo, um amigo que por vezes se ausenta, mas que volta sempre...sempre...sempre!

Sei o que ele significa e são muitas as vezes que o pressinto a chegar e um pouco amedrontado, abro as cortinas da janela destes meus olhos e tudo, deixa de ser um pressentimento para passar a uma realidade viva e presente.
A porta bate com força porque a educação nunca foi o seu forte. É detentor de muitas casas e terras, diria que será o mais rico do universo que conheço.

Mas os meus olhos vêm um pouco mais e nesta sensibilidade toda que uso para entender o problema, também sei usar as minhas ratoeiras, as minhas armadilhas que ficam gravadas na experiência da vida…porque ele me ajudou nesta experiência.
Assim quando vêm aqueles novatos cheios de sangue na guelra, encontram a porta fechada e perguntam-se eles do porque de não terem a chave certa para entrar como pensavam que aconteceria.


Cabe-me a mim ser inteligente, eu é que sou o ser racional e as respostas são as minhas trancas na porta.

Serei eu sempre forte, para aguentar as minhas procuras? Não sei.

Mas sei que nunca terei uma tranca que resista ao verdadeiro problema, aquele que será sempre o meu melhor amigo.
Porque não tenho trancas para mim e este será sempre o meu maior desafio...compreender-me e quando ele está de volta, com o saco cheio de dificuldades de uma longa ou curta investigação de como me tramar, vou abrir-lhe a porta, servir-lhe uma boa refeição e dar-lhe conforto. Na tentativa de o confundir e entreter até encontrar uma nova forma de o fazer viajar em busca de novas dificuldades.

Serei o vencedor enquanto tiver mais percentagem de tempo de compreensão do meu ser, ficando assim sozinho deste meu amigo, que andará sempre a preparar-se para voltar em força.
Nem sempre é assim e tive que o aceitar durante algum tempo em mim, abandalhou-me tudo, desorganizou, partiu...sei lá! Mas agora foi de novo à procura, porque acabou o tempo dele...por agora! por agora!


Frequência de Vida, quase perfeita!


James Blunt - Carry You Home










sábado, 1 de novembro de 2008

Data!


Hoje é dia 1 de Novembro, o meu primeiro 1 de Novembro diferente de todos até hoje.

Hoje não andarei em correrias entre um local e outro, ficarei por cá. Vou acompanhar-te e estarei sempre perto de ti.

Não estou com...

Não vou escrever hoje, apenas deixar algo que seriam as minhas palavras hoje para ti...





Porque eu sei tudo isto, porque tu eras assim e eu amo-te.




domingo, 26 de outubro de 2008

A Luz...o Sentir...a Procura!


Nunca saberás com todas as certezas o caminho que percorres, sim é uma verdade. Não serei eu a dizer o contrário, não serei eu a dar-te as certezas.

Mas poderei eu algum dia ser...uma certeza, uma fonte, um arder de coração!? Penso que é difícil mostrar o que se sente, o que sinto, o que quero. No fundo não serei eu o errado? Talvez todos estejam certos e eu, bem eu serei então um ser inútil e inapto para esta realidade existente.

Sei lá...olha gostava de poder ser uma Luz para libertar as dores que provoco nos outros, gostava de sentir a tua dor e ser a força para quem precisa de encontrar respostas. Não sou tão privilegiado como tu, não sorriu tanto como tu! Não serei eu a ausência retratada em tantos seres iguais a mim...

Trago comigo sentimentos muito intensos e seguros, não seria capaz de olhar para trás e enlouquecer, embora surjam imensas vezes essa vontade imponente que ainda vou brincando com ela, ainda vou conseguindo manobra-la e gozar com ela.
A Vida deu-me tanto até este exacto momento, trouxe-me dias de verão enrolados em areias de mar numa infância e adolescência brilhante e fugaz. Permitiu-me observar e saber entender uma sensação que me alimenta até aos dias de hoje...

O Sentir.

É, talvez esteja aqui parte de um segredo que penso que me mantém vivo e de certa forma, feliz! Sinto tudo e isso apesar de me fazer sofrer muito, continuo a olhar rostos, olhos cheios de vida, cheios de vida, cheios de tristezas e ansiedades.

Dou por mim atento a pormenores que nunca serão importantes ou de relevância para ti que estás comigo, que vais estando comigo, que me vais encontrando numa rua, num café, num lugar perdido. Esses pequenos gestos, expressões de rosto, dão-me vida, tiram-me vida...mostram-me a Vida.

Um dia aprendi com alguém que foi e será sempre importante para mim.
" A tua vida será sempre uma procura, filho. Já percebia isso, mas hoje senti muito isso, tu sofres demais com os outros, não conseguirás suportar essas dores e segredos que andam dentro de ti sem respostas.
Gosto muito de ti, mas tu vais sofrer muito assim, ouve o que te digo!"


Lembrei-me esta semana destas palavras e hoje coloco-as aqui, porque é um pouco como dizias, mas prestei bem atenção a esta frase como a muitas outras que me foste dizendo e nesta em especial, lembro-me que frisaste bem esta palavra "respostas".
Passarei a minha vida toda a procurar respostas, para o que fiz para o que ando a fazer e com essa procura espero aguentar estas dores que trago comigo.

Gostava de saber se estou no caminho certo. Gostava, gostava, gostava...e isto vai contra o meu Eu.
Aprendi com as minhas vivências que sentir a vida é melhor que saber o que ela vai trazer.Nunca deixarei de pensar, porque sei como sou.
Mas um dia aprenderei a controlar estes pensamentos e de mansinho irei para onde o plano pensado para mim me levar, sei que nesse dia deixarei imensas coisas, imensos seres humanos lindíssimos, apenas peço para compreender sempre os sinais.




Beijos e tudo de bom povo.

Frequência de Vida
Michael Jackson - You Are Not Alone

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Um Romper Harmoniosamente Insaciável!

Enquanto percorro dias de atrofio e confusões, algo vai sendo fabricado e composto por mãos trabalhadoras e de entusiasmo. Não sinto essa magia escondida e sofro no interior do meu ser sem uma reacção natural de alguém que antes conhecia...eu!

Surge aos poucos uma vontade crescente de virar esta página de vida, mas as recordações são muito fortes e ainda existe muito movimento em torno de ti. Estou a tentar encerrar as situações e aqueles pormenores que suscitam as névoas nos olhos e o mergulho de cabeça numa vida que já não existe mais.


Já tenho um livro novo...


Quis partir na aventura do risco e de novas responsabilidades, meti-me em tudo o que me ia aparecendo para ocupar todo o meu tempo, fiz isto para não ter tempo de...


...respirar.


Hoje são 00h15m, faço uma reflexão aos meus últimos tempos, deparo-me com uma realidade que criei nestes tempos, uma realidade preenchida e que resultou. Foi numa tentativa de desespero, mas estou a sentir-me aos poucos de novo e a magia que estava a ser realizada na cegues dos meus olhos, apresenta-se agora com esplendor e grandeza de audácia.

Disse um sim, depois um não, entretanto apresentou-se-me um não sei e a minha cabeça rebentava de indecisões.

Decidi fechar qualquer capacidade de resolução dos tempos de hoje e fui buscar as vontades anteriores a tudo isto.

Então viajei no passado e depositei nessas atitudes e decisões a minha alma e corpo, ofereci-me a elas, mesmo que possam não ser as certas. Dei-lhes a razão, o amor e o frio da decisão.

Está tomada a decisão e o novo projecto começou, sinto-me com pequenos reforços de vontades e cresce em mim a sensação de projecto real.

Entre todas estas atribulações, disse sim a outras coisas e hoje sinto que se queria estar completamente ocupado...consegui e agora começo a pensar em como conseguir estar em tudo o que aceitei.
Vou indo e vendo, mas algo já mudou em mim...

Eu estou a sentir-me, o coração parece começar a bater algumas vezes ao dia normalmente e isto é tudo o que quero para mim.

Crescer, quero crescer e olhar o céu como ontem e ver uma lenta estrela cadente, com aquele rasto brilhante e puro de beleza.

Quero sentir de novo o Mundo e junto contigo vê-lo a caminhar ao meu lado, sem que eu pareça um estranho para ele, sem que ele pareça estranho para mim. Quero amar a vida de novo como sempre amei, quero estar stressado, quero estar cansado, quero estar feliz, risonho…e quando estiver triste, quero estar capacitado de me ajudar.

É, hoje sinto que vou começar a tabelar no Mundo e apesar de ainda não me arriscar em seguranças totais, já me sinto mais capaz de te escutar no silêncio e aprender a entender que estes suspiros são para matar e substituir por olhares viajantes num universo onde possa dar-te a mão e passear contigo.

A Vida está a meter-se de novo comigo, ela conseguiu superar a apatia e a insegurança, que bom.


A frequência de Vida de hoje:


Jason Mraz "I'm Yours"



terça-feira, 14 de outubro de 2008

Perdido na Minha própria...Natureza



Que se passa com o mundo que me rodeia?

Nada, não se passa nada. É isto mesmo que descubro neste exacto momento em que escrevo estas palavras.

Onde andam as respostas?! Onde andas Tu?

Estes não são os meus olhos, eu quero-os de volta...por favor, peço-Te! Sinto que nada sei, tenho certezas de tudo o que lutei para nunca sentir.

Medos!

Angústias!

Indecisões!

Incertezas!

Que Lacuna profunda e persistentemente teimosa, sem sabor teima em me arrastar. Não quero ir, mas já não sei como ludibriar mais esta falta, esta ausência.

Havia sempre aquela palavra, aquele afecto...aquela dureza de uma certeza mesmo que duvidosa, padecia de uma segurança forte vinda da tua boca e gestos.

A minha Natureza fugiu-me sem eu a conseguir agarrar e neste deambular sinto-me perdido de novo na minha própria essência. A persistência parece esgotar-se com o percorrer dos dias e a cada segundo que passa.

Não entendo as coisas boas que me estão a ser oferecidas e não sei que opções tomar e...começo a ficar farto de tudo e todos.

Foste...sinto-me com um nó na garganta e onde noutros tempos desatava-os em outros seres, agora sinto as minhas próprias mãos atadas e não decifro o código do desatar deste nó estranho e cheio de vivacidade. Tu eras demasiadamente importante já o sabia, mas como sempre sentimo-lo fortemente com a perda definitiva e intemporal.

Homem dos conselhos, Ser Humano incrivelmente bonito que simbolizavas uma vida cheia de coragem e risco...contigo sabia sempre bem ir de cabeça, as tuas palavras eram sábias e ficavas sempre na retaguarda para acolher e proteger quando sabias que o risco não era um risco calculado e sim um bater de cabeça.





Tu sabias ensinar...




Era em ti que encontrava uma Natureza muito minha e com vontades fugia, cometia loucuras, saltava no ar sem ninguém ver.

Tu sabias quando eu voava e isso deixava-te feliz, tu sabias quando caía e isso fazia-te sofrer.

Agora sinto-me sozinho no meio de tantos amigos que ñ me querem ver mal, na pequena família que somos agora...


Só quero encontrar-me, só quero sentir o meu coração a palpitar ao ritmo normal da exigência de cada situação e momento e não estou a conseguir, está a bater sempre muito forte e assim não vai dar.

Sinto-me Perdido, com uma vontade ofegante de me reencontrar quanto antes e sentir de novo pelo menos um bocadinho da felicidade e gosto de viver que outrora sentia.

É! A melhor frase que definiria talvez o que sinto era, perdido na minha própria natureza...preso em cadeados frios, onde nada me faz sorrir um pouco, assim naturalmente.




Uma Frequência de Vida...sei lá!






Sim esta é para ti, amigo...amor da minha vida...meu Pai. Sempre te amarei demais...sempre.





Eva Cassidy Fields Of Gold












quinta-feira, 2 de outubro de 2008

De mão dada...


Olhar-te com ternura...alguém que me faz sentir.

O Outono esta a chegar, as folhas começam a mostrar todo o seu esplendor e coragem, as cores que transmitem agora são dignas de qualquer quimera...a sua coragem é fonte verdadeira do que é dar-se, do que é sentir um concluir de vida e prossecução de uma nova que virá...com o tempo.

O dia chega ao fim cansado de diversidades de processos onde o horizonte já não cai tarde...mas sim ao entardecer e as suas cores são agora de tons vermelhos e laranjas fortes num fundo azul escuro e vivo.

Assim com uma persistência impávida e serena, teima-se num café perto de um elemento da vida que me concede a paz e a força, momentos de persistência que fazem de nós...seres humanos de risco, loucura e ternura.
Aconchegamo-nos nesse horizonte já não tardio, mas com uma beleza quase rara, não o sendo, apenas porque aos nossos olhos ele acontece sempre que queremos e nos deixamos embalar por ele...

Este é o quadro de tantas vidas...pequenos abrigos que nos tiram as pressas, os olhares perdidos a monotonia da própria vida.

De mãos dadas, vamos sentindo os ventos trespassar os nossos dedos e por momentos parece não existir a realidade...apenas a essência da vida...o partir para lugar nenhum, estando em todos os sítios sem parar.

É...

Agitações de emoções, emoções que agitam...corações sossegados no tempo, no espaço à deriva em rumos de sentimentos à flor da pele. No teu peito lá bem dentro, no fundo partes para tentar tocar o mais longe...com as mãos.

Alguém dizia que o caminho do amor passa pelo esforço de nos conhecermos iguais e nos aceitarmos diferentes.

A diferença é uma impressão digital e como tal não existe outra igual. É na tua diferença que vai sempre residir a tua impressão...a tua forma de marcar e é esta que gosto de sentir.

Assim como que de mãos dadas, tu me deste a calma em dias de tormento, como estando de mão dada com...o tempo.

É assim a vida...funciona como uma espécie de bússola, capaz de orientar, distribuir e estabilizar as energias positivas das áreas de uma casa...de um lugar...possibilita a perfeita harmonização do ambiente e também expressa os desejos e valores do dono dessa casa desse lugar...desse coração.






Frequência de Vida:






Mafalda Veiga - Faz Parte



domingo, 21 de setembro de 2008

Acordar, num Lugar Mágico!



Os olhos abrem-se...uma luz vai entrando e dando magia ao meu acordar.

Hummmm...há contos de fadas que começam assim...num abrir de olhos e com a melodia certa, deixo-me transportar para um mundo onde só existem possibilidades e magias.

Queria poder brincar com a minha infância e subir, subir, subir...bem alto no céu e poder visualizar o meu crescer ao longo de uma vida.


Sabem quando se sente um crescer dentro do coração, assim como querendo estar em todo o lado e ver, ver, ver, ver...sem parar, sem cansar, sem muros que impeçam o caminho e obstruam a passagem.
Que sensação poder realizar tudo o que se quer...

Neste mundo...posso até respirar o meu silêncio...posso ser...cor.

Sabem, aqui não seria tudo mais fácil...é apenas um lugar da mente, um "poder" que nos transporta e talvez nos liberte das impossibilidades que temos e que vamos descobrindo na vida real...diariamente.

É...

...a Vida não tem qualquer problema ético ou moral e até num modo egoísta, mostra-nos com a sua crueldade...tudo.

Talvez para que, quando tocamos a felicidade...a agarremos fortemente sem perder um respiro dela, sem desviar um único olhar dela. O segredo não será então esquecer a Vida e de certo modo aceitá-la...mas sim cansar-me nela e com ela até à exaustão.

O segredo do mundo das fadas, dos mundos mágicos, talvez exista para despertar as nossas possibilidades de realizações...tudo é possível.

Nestes mundos que vou fabricando, como que tentando desprender-me da realidade por momentos...vou podendo jogar com a minha Vida, vou inventado formas e sabores que ninguém poderá sentir, apenas apreciar num olhar mais brilhante dos meus olhos, ou numa ou outra expressão quase mágica.

No Mundo real, não posso jogar demais com a minha Vida, nem com a dos outros...não posso criar momentos de magia constantemente que me dêem o brilho num olhar muitas vezes...perdido no tempo.

Tenho que devolver o ar doce da Vida...e para isso tenho que voltar a encontra-lo aos poucos. O dar é tudo o que trago comigo, numa mala lúcida e detentora de um saber que nem eu sei compreender tantas e tantas vezes.

A Vida decai e neste ar que respiro, tenho que dizer Adeus e abraçar-me para voar com os meus erros e virtudes...é difícil dizer Adeus...

...mas só a libertação limpa me faz voar e as asas parecem estar presas, não pode continuar assim.

O momento chegou, o conto de fadas desvanece-se com o surgir de barulhos do mundo real.

Estou acordado!

Toca a levantar, já é tarde.





Frequência de Vida:







Gianna Nannini - Aria









Beijos para todos.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Sum causa tuæ viæ...Resurget.




Redemisti crucem passus...Tantus labor non sit cassus.


Quærens me, sedisti lassus...donum fac remissionis, mihi quoque spem dedisti.







...Ingemisco, pie Jesu Domine.













Corrs Unplugged - 'Everybody Hurts'




Sábado, 21 de Setembro 2008
[Explicação] - Não acontecerá de novo.
Hoje pela primeira vez explico o texto que escrevi. Por uma única razão, estar em Latim e sem razão primária, apenas porque enquanto procurava algo...
...encontrei isto:
"Dies Irae ("Dia da Ira") é um famoso hino, em latim, do século XIII. Pensa-se que foi escrito por Thomas de Celano. Sua inspiração parece vir da Vulgata, tradução de Sofonias 1:15–16:
É tambem um dos hinos do Requiem de Mozart."
Então fui ler e de lá retirei não um hino, não de ira, mas antes usei palavras soltas e frases completas do hino e saiu então o texto que escrevi, uma "oração pessoal".
Então de um hino de ira, "Dia da Ira" saiu o que já leram e alguns querem tradução, aqui vai.
Titulo: "Sou causa do teu caminho...Ressurgir."
Texto:
"Me redimiste sofrendo a Cruz...Tanto trabalho que não seja em vão.
Resgatando-me, sentiste fadiga...dá-me a remissão dos meus pecados, dá-me também esperança.
...Clamo, piedoso Senhor Jesus."
E é esta a explicação, escolhi as frases e as palavras de um texto muito forte que podem ler, é de revolta pura de ira...mas usei-as de outra forma para mostrar a mim próprio que mesmo o estado de espírito querer seguir pelo caminho mais fácil, consigo ainda ver...e não me perderei, nem desistirei nunca.
Por mim, por ti, por todos os que ainda falta ver e por Ele.
Com calma e aceitando melhor cada dia.
A Música completa um genero de "oração" que construi e transporta-me para a realidade de novo...todos sofrem, não te deixes ir.
Não voltarei a explicar um texto, apenas este que aconteceu ser escrito em Latim e só por isso.
Abraços e beijos.
.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Um novo tempo...Aprender!Observar...

Hoje acordo com vontades sem forças, acordo de novo, acordo para ti...

Quero aprender a saber esperar, para que a solidão vá saindo mesmo que devagarinho.


Dias de tentações, de loucuras, de perdição de identidade. Foram dias estes que passei sem um único esforço de afirmação...mas não quero mais!

Vou tentar partir numa viagem marcada no coração...chegou o momento de permanecer sozinho e me questionar...até doer se assim tiver que ser.


hummmmmm...


Gostei destes dias...mas na multidão de jovens, adultos...crianças, não escutava nenhum som de esperança...no barulho intenso, um silêncio permaneceu sempre perto, tão perto que o cheirava na pele.

Sei que me perdi com vontade, quase como que escolhido a dedo o dia. Talvez por estarem pessoas que sinto falta perto de mim tantas e tantas vezes.


Alguns passaram um tempo de inocência tão perto de mim que basta um olhar e um abraço para sentir tudo tão perto...de novo.


O dia foi um dia especial para alguém, para mim foi também especial...sei agora pelas vozes amigas que me contam as minhas libertações. Na verdade sinto-me num estado calmo, sinto-me mais leve...


...mas talvez tenha carregado alguns corações e eu não quero isso.


É chegado o momento da procura e para isso não posso ficar aqui...perto de tudo. Preciso de andar...andar e andar muito, olhar os meus passos numa rua qualquer, escutar o som de um vento diferente e distante deste que mexe as folhas das minhas árvores.


Sabem...o recordar nem sempre sabe assim tão bem. Não são trocas fáceis estes pensamentos que me transportam, tenho que aprender...a recordar.


Não quero cair cada vez que recordo, quero sorrir com cada pensamento e não fica fácil ultrapassar quando se faz opções de esquecer tudo e curtir sem pensar.





Estes têm sido os meus últimos dias...






...agora vou tentar aprender a recordar.





A Frequência de Vida:


Ana Carolina - "Pra Rua Me Levar"

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

A certeza de um Coração...onde Estás?


Esta não é a minha forma de estar no mundo, não sou assim.


...


Queria poder voltar depressa, mas não estou a conseguir ver nenhum braço para me agarrar e...não encontro a tua certeza!

Onde está o meu coração...onde estou Eu!

Estou a esquecer os meus sonhos e deixando-os desvanecer em muralhas de areia outrora de pedras bonitas em granito forte.
O silêncio é único combate que travo ainda...mas isso não trás a tua companhia de volta e vejo tudo em pedaços a olhos nus e desprotegidos numa luta intensa e dura.

Os momentos diários são iguais...todos os dias! As certezas estão desfeitas e contaminadas pela própria vida.

...quero tanto soltar-me, tanto, tanto, tanto...

Mas estou desarmado.

Aquela armadura forte caiu e por debaixo dela restam pedaços que andam de mão em mão...perdidos e sem referência.


O coração sempre foi o meu mapa, onde encontrava sempre os sentidos para o que acontecia e assim me ia descobrindo.
Não encontro no olhar de alguém uma resposta, uma saída daqui...

Tento encobrir a tristeza com o conhecimento e a...experiência é angustiada por não ter a resposta certa para mim.
O mundo não me deixa parar e eu queria muito que parasse por um tempo.

...mas as fantasias não acontecem assim.

O vento segredava-me tantas vezes respostas em sítios especiais e mágicos.

O vento já não trás nada e deixou de arrefecer o meu rosto, como é duro...


A certeza...o Coração...onde estás Tu?

Queria Gritar...Gritar bem alto, mas sozinho!

As noites chegam de mansinho como um pano de teatro finalizando cada acto...dou comigo a inventar mais uma saída no cair deste pano...apenas para trocar palavras com alguém. Mas não consigo permanecer tempo suficiente num mesmo local...nem mesmo com as pessoas que amo aguento tempo.

Tempo, tempo, tempo perdido, com uma espera por ti que...não voltará a acontecer.

As certezas do meu coração estão desvanecidas e travo uma luta interior injusta, onde por momentos tenho medo de a perder.

...não sei nada, mas vou descobrir.

Eu vou descobrir e sair daqui.


A frequência de Vida que mais gostava de ouvir hoje e agora dita por ti...




O Meu Abrigo









domingo, 17 de agosto de 2008

Presença...Silênciosa Despedida...

Eram +/- 15h30m quando percorria um corredor de cores cinzentas e janelas de frias claridades...pedia baixinho para que tivesses melhor e sorrisses para mim numa ou outra troca de uma frase...palavras mesmo que soltas fossem.

Pedi com muita força mesmo...que proferisses um som estruturado que chamamos de linguagem oral e soltasses palavras formando frases sobre como estarias a sentir-te.

Toco à campainha e olho para o teu lugar físico habitual daquela sala fria e cheia de irrealismos ambulantes em corpos perdidos buscando uma saída...

Lá estavas tu de costas e o meu coração batia tão forte que quando te olhei tive a maravilha do meu pedido atendido...

Sorriste para mim..."olá" disseste tu e ali ficamos a conversar sobre coisas. Estavas tão bonito com aquele pijama azul de ceda que a mãe estava radiante de te ver assim bonito.

Sorrias e falavas, falavas e sorrias como que tivesses descoberto o caminho da libertação e uma força via-se crescer em ti de novo.
Liguei ao mano novamente e disse-lhe para vir ver-te...estava difícil ele conseguir chegar, mas veio...e veio porque assim tinha que ser, ñ era?...

Veio a noite e nasceu a manhã...e foi o acordar mais estranho de uma vida.

Fui o escolhido por ti...doeu muito receber a noticia, e custou demais dá-la...

Foste necessário durante todos os milésimos de segundos para nós. Agora eras necessário para onde foste.

Sabes que concluíste uma obra...a tua luta de vida somos nós e eu entendi cada sinal teu ao longo dela. Fizeste-me forte, ensinaste-me montes de coisas que me sustentaram e me ajudaram a sustentar...
Sabes que dói porque sei que sabes, mas não me vais largar nunca e contigo vou conseguir...nós todos vamos conseguir, vais ver.

Tantas vezes te disse nestes últimos dias..."acredita pai, tu vais conseguir nós estamos aqui para te ajudar" e tu dizias-me " tu não sabes o que dizes filho, já tudo está perdido, não vai haver escapatória possível", não sei o que querias dizer com isso, mas de novo te digo agora..."eu continuo a confiar em ti e eu sou parte de ti para sempre, vou lutar sempre, sempre, sempre como tu o fazias"

Ontem quando falava contigo perguntava se valia a pena...acho que percebi o que me disseste.


Sabes foste um guerreiro para toda a família sempre e isso faz de ti um herói verdadeiro...aqui não existe espaço para ficções ou fantasias...tu foste real e verdadeiro e viveste no meu tempo, vi-te com os meus próprios olhos para que quando duvide algum dia possa repensar toda a minha vida e acreditar que é possível porque...porque...tu exististe e eu cheirei-te, senti o teu toque, o teu sabor...o teu Amor.

E tudo isto se vai ter que se sustentar neste valor máximo e difícil de gerir...o Amor.


Deixaste-nos um sorriso no teu rosto como que dizendo...força eu estou bem e confio em vós.

Agradeço-te esta tua última forma de expressão calma, serena e feliz...entendo-a como realização de vida e como força para nós. Faremos por isso, acredita.

Estiveram muitas pessoas tuas amigas, muitas delas vieram de longe para dar um abraço e simplesmente dizerem que estão para o que for preciso. Nunca pensei como seria duro ouvir estas palavras...mas os teus amigos, os nossos amigos...vieram não só porque tu eras quem eras, mas porque tu foste sempre um pai e os teus ensinamentos vincaram muitas, muitas pessoas à tua volta.


Eu simplesmente gostaria de agradecer a presença de todos, porque sei que o meu pai o faria, não porque se deve ou fica bem agradecer.

...apenas porque houveram muitas pessoas que doeu só de olhar para a presença delas, pela vivência que temos com elas, por tudo, por tudo...

Então por favor deixem-me agradecer-vos a todos, mesmo a todos pela vossa presença e o vosso amor por mim, pela minha família e especialmente pelo meu pai.


Dizem que os heróis não morrem...vivem eternamente. Para mim viverá sempre no meu coração e nas minhas recordações em forma de filme de vida...que são todas excepcionais com ele, não tenho uma única má para recordar da vida dele...isto também me tem ajudado muito.



Beijos para todos vocês amigos(as).



Vou deixar hoje a minha frequência de vida que mais amo, porque é isto mesmo que a Mariza canta nesta música.

Portem-se bem e...vamo-nos vendo, tá bem.



Mariza - "Chuva

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

...





Vazio...


.
.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Lost...

Todos me dizem que sou fechado, que tenho que falar, tenho que me libertar da angústia, da dor e entregar estas cargas a vós porque aceito as vossas...

...sempre aceitei as vossas com muito amor e carinho.

Não sei porque sou assim...sei que nunca gostei de ver ninguém a sofrer e sempre quis dar um pouco de alegria e felicidade quando as coisas não estavam bem com alguém.
Trago dentro de mim muitos sentimentos de todos e carrego-os com muito amor e alguns foram batalhas duras de vencer, mas houveram muitas vitórias e sempre me senti bem assim.

Recordo-me de um senhor nas ruas de Aveiro com um olhar triste, com uma perna deficiente que estava sentado na escadaria da casa do bingo e...à minha passagem como a tantas outras passagens de outras pessoas, disse:

"uma ajudinha amigo"...

Nem olhei! Continuei a percorrer a avenida para apanhar o comboio para casa, mas aquela frase não me largou mais e quando entrei para o comboio e me sentei...não consegui lá permanecer e voltei a percorrer aquela avenida com um sentimento de preocupação de já não o encontrar sequer. Mas lá estava ele, olhei-o bem e ele ficou assim da mesma forma a olhar-me, então perguntei-lhe: "queres vir dar uma volta e sair daqui um pouco?"

...

"sim, gostava muito".

Então anda, vamos conversar um pouco e beber um café quente, está frio "amigo".





A vida está cheia de tristezas, egoísmos e angústias. Não paramos para escutar ou perceber ninguém.
A família é a prova real que assim acontece, quando não amamos sequer os que nos são próximos...como podemos amar quem nos é totalmente desconhecido?


Estou...muito, muito cansado. Cometo erros atrás de erros e penso que sou lutador.

Que ironia de vida.


Ontem foi um dia duro, muito duro.

Enquanto percorria os corredores do hospital pensava, ele ao ver-me vai ficar mais calmo e vai acreditar na vida...

...tive o som do vazio como resposta aos meus pensamentos, um rosto frio fixo num ponto qualquer existente num olhar perdido que não me queria ver. Entre tentativas de aproximação...resistências e afastamentos com as suas próprias mãos.

...mais uma tentativa de lhe dar a mão...novo afastamento do toque e uma lágrima cai pelo rosto desenhando um percurso intenso de tristeza e dor profunda.

Olho a minha mãe...encontro um rosto pesado e uma cabeça com pensamentos de angústias e dúvidas de tudo.

Não estou perdido, não me sinto perdido...apenas me apetece fechar os olhos e ver o que não existe.

Penso que não errei na tentativa de o ajudar estando em casa, mas a verdade é que cresce um sentimento de "culpa" por poder ter estado errado nesta decisão.



Eu adoro viver e amo muitas muitas muitas pessoas, que nunca fizeram nada para eu os amar, eu sei. Mas sem saberem dão-me o que preciso.
De forma diferente amo muitas pessoas que conheço e vivem aventuras comigo diariamente.
São estas pessoas que numa aventura diária me vão aguentando e eu a elas, quase como que se tratasse de uma estabilidade de natureza...hoje compensas os níveis, amanhã compenso eu e sim...

sim...tem sido isto que me tem segurado.

Aos amigos devo muito, muito. É verdade que é triste ter muitos amigos com problemas e dificuldades, mas também é da mesma forma verdade que é com estes que recebemos a força com as suas lutas e crenças...em finais felizes.


Ironia de vida ou não, acho que vou continuar a ser assim como sou...por mais algum tempo.




Para os amigos que vão comunicando comigo, quero que entendam que a vontade de sair não é muita e que eu preciso de viver este momento assim. Serei eu a enviar mensagens quando mais precisar de vós, um cafezinho com um amigo sabe sempre muito bem e mesmo que por 5 minutos será aquele café com alguém que amo muito, por isso esperem que seja eu a pedir-vos para isso e não vocês. É que detesto a palavra não mais que nunca, escutava imensas vezes nestes últimos tempos da boca do meu pai e decidi abolir essa palavra da minha boca o máximo possível. Assim se for eu a pedir um cafezinho o máximo que posso receber de negativo é um "não dá, hoje" da vossa parte, mas prefiro assim que ser a dizer isso.


xau e curtam a vida muito, muito, muito...passamos a vida a lutar por mais umas horas de trabalho e sair fica sempre para outra altura. E dizemos que precisamos que assim seja, mas depois fica-se assim...tudo pára, tudo fica triste, não se faz nada e gastasse tudo o que se andou a arranjar quando se devia ter parado e convivido com os outros...a vida está sempre a dar-nos lições e por vezes estas lições são muito duras e doem muito. Mas deve ter que ser assim.




sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Por Quanto Tempo?

Queria...


Parece exis...



Acredit...












Amo-te muito.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Dias sem Sabor...





Não sei que dias são estes que percorrem da aurora ao horizonte.

Não são dias mágicos, nem com nome próprio, são dias cinzentos, que brilham com uma intensidade escura e fria.


Não sei como calcar este chão e existem momentos que sinto perder-me...sem capacidades de desdobrar este papel de um cenário cru e cruel.


Não são traços de tinta de água...já tentei apagar de tantas formas diferentes... ...mas não desaparecem estes traços negros e carregados deste papel. A página de uma vida é escrita a cada momento que visualizamos com o nosso olhar e sentimos com o nosso respirar, por isso dei o nome ao meu blog de "Sopros de Vida", porque é isso mesmo que descreve a minha vida o meu sentir o meu...viver.

Mas estão sempre a aparecer páginas neste livro que não pertencem a ele.


Vou rasgando-as estas que se intrometem no meio de um percurso de riscos e rabiscos tortos e mal carregados...mas que são os meus, as minhas tentativas de ser ou estar perto da felicidade.


Estou carregado de erros e frases mal compostas e inacabadas, mas...sou eu.


Esta página não rasga facilmente e já tentei de tantas e variadíssimas formas que estou perto de desistir...por alguns momentos já desisti na verdade.


Mas tento de novo e de novo...mas ela não se rasga.


Então decidi pintá-la hoje, e não foi com tinta de água também, foi com um bico de compasso, onde riscarei o mais profundo que conseguir para que entranhe a forma que é verdadeira e desta forma vou tentar marcar na escuridão um caminho seguro...porque existe sempre as mãos e elas são as detentoras do tacto, podem sempre na escuridão sentir rugosidades e percorre-las até lugar seguro, com cores e luz." Se eu voar sem saber onde vou...", talvez aconteça...e tudo se revele.











Beijos e Abraços


quarta-feira, 30 de julho de 2008

Love Of My Life

....

















Frequência de Vida:

Love Of My Life



quinta-feira, 24 de julho de 2008

Humm...Mudanças?!!


Sim, sim porque não?

Hoje acordei com um grande sorriso na cara :D, ñ é normal nos tempos que decorrem, mas vou aproveita-lo ao máximo.

Pensei...vou escrever algo, pode ser que saia assim algo alegre e menos escuro e aqui estou eu :D.


Hoje vou fazer mudanças, tenho ali o quarto do meu irmão cheiinho de tralha, hehehehehehe :D:D:D

Ele não vai curtir nada o que vou fazer, mas vai ter que aceitar :DDDDDDDDDDDDDDDDDD


Parece que estou a ver a cara dele quando chegar a casa e der com o quarto dele sem nada.
Vou fazer-lhe um assalto ao quarto, preciso de uma cama para dormir :D:D:D:D:D:D hehehehe

Não vou roubar nada que não seja meu por direito!!!!!! ele já está noutro quarto, também não sou assim tão mau.

Mas como nunca mais tira as cenas todas do antigo eu vou ajuda-lo :DDDDDDDDDDD não sei se ele vai considerar ajuda isto que lhe vou fazer...aliás conhecendo-o como conheço, no mínimo vai mandar-me para muitos sítios e depois pronto aceita o que esta, não tem outro remédio.

Ele é fixe, vai entender (isto já sou eu a tentar convencer-me disto).

Bem não interessa, hoje é um dia de mudanças e nada como criar um novo espaço para mim, ao meu ritmo, com as minhas cores...hummmmmmmmmmmm vai ficar altamente!


Aiiiiiiiiiiiii que estes dias são tão poucos no ano que eu até tenho pena de não conseguir aproveitá-lo por completo, mas vou esforçar-me hoje que ele me apareceu.

Normalmente após este dia fico um bocadito em baixo ou então explode uma energia dentro de mim que dura imenso tempo (como eu gostava que fosse esta última que acontecesse).

Vamos ver.

Bem e é mesmo assim porque quando precisamos, os amigos dos nossos sonhos e histórias aparecem quase como que por magia e nos libertam aqui vai um grande abraço para eles.


Povo lindooooooooooooooooooooo uma beijoca grande e abraçinhos amigos, colegas, inimigos!!! Ingratos da vida e muita força e alegria para estes todos na mesma quantidade. (se calhar devia ser em mais quantidade para últimos! hummm!!! olha fica assim nas doses de força, no amor e carinho já não poderá ser da mesma forma porque isto é só para os amigos e família).




xauzzzzzzzzzzzzzzz

Uma Frequência de Vida que complete este meu estado de espírito!!!!aiiiiiiiii não estou a encontrar aquela que se encaixa aqui.

...




...

20m e nada!!!! Como é possível?? Já estou a ficar passado.



...



hehehehehehe já encontrei é isto mesmo :), "Ai Oh Pahh" :D:D:D:D:D eu hoje vou estar feliz tenho a certeza.E a parte do "la la la la la" acompanha a letra e a emoção cresce.

:D :)







A Frequência de Vida hoje é mesmo esta:


Yael Naim - New Soul








xauzzzzzzzzzzzzz

terça-feira, 22 de julho de 2008

Viagens...




Tenho a sensação que passei grande parte da minha existência a viajar no tempo, nas histórias deste mesmo tempo...

...e que viagens que foram.

Recordo com saudade lugares e portos tumultuosos que não queriam acalmar e foram agrestes de navegar.

Nem sempre as velas davam para todos e por vezes foi necessário retirar o extremamente necessário e saltar borda fora deixando o barco se quebrar sozinho...

Mas sempre cheguei a uma margem e depois de recuperar surgia outra ideia para um barco mais seguro, com velas para diferentes ventos e mares.

Adorei cada perca e recomeço, como foi bom corrigir perfeições...que afinal eram imperfeitas!

Perde-se, para voltar a recuperar, uma força inesgotável até hoje!


Vou mudar de vez a minha direcção...agora...

...vou voltar a casa, ao meu lar.

Não sei bem como vou navegar este mar que está bravo neste porto até hoje sempre seguro...mas que agora não está.

Não é preciso ser sábio para perceber que vou abandonar muitos barcos para entrar neste porto...mas mesmo assim ele preenche-me de uma forma que vou conseguir.

E quando conseguir entrar vou construir uma embarcação maior desta vez.

Tenho que levar alguém especial comigo nesta viajem e mostrar-lhe que é possível e seguro viajar comigo.

Estou cansado...

Muito cansado mesmo e é tempo de descansar para pensar uma forma de conseguir o meu objectivo.



Até poderia imaginar agora uma frase que define-se algo especial para mim...tinha que ser uma frase que tivesse uma transparência lúcida na luz, mas que também tivesse a dificuldade que me consome..


...e então, seria assim desta forma que escreveria a frase.

" A vida é como uma folha de papel vegetal...mas a transparência dela não chega. É preciso um rabisco por debaixo desta para poder iniciar qualquer coisa.
Mas uma coisa que nunca será é uma folha de papel químico onde basta calcar e fazer imensas cópias da mesma...até o químico se gastar."

E pronto saiu a frase, está feita e é o que me vai na cabeça neste exacto momento.


...


Já passaram 20m que estou a olhar para esta frase, incrível como as respostas estão dentro de nós mesmos.



Frequência de Vida complementa sempre todas as minhas palavras, assim como da mesma forma a expressão de quem as canta completa expressões e estados de espírito. Não é sempre possivel encontrar mas quando consigo encontrar o que procuro é bom.

Então a de hoje é esta:



Sting - Shape Of My Heart


terça-feira, 15 de julho de 2008

Baloiço...


Balançar...balançar, para a frente e para trás, cada vez mais forte até chegar ali...aquele ponto que com a mão tocarei a felicidade.

Olho para o chão, não consigo chegar com os pés lá...estou pequeno de novo...

Hummmm que sorriso lindo é aquele que me está a dar este balanço e este toque nas costas tão ténue!
Não consigo parar de olhar para aquele sorriso lindo, lindo, lindo e este toque nas costas, eu conheço este toque...

Ahhhhhh eu vim de tão longe, mas sei quem és agora. Esse teu olhar é a fonte do meu, foste tu que me destes estas marcas na pele do meu corpo, hummmmm que bom é este vento no rosto com o ir e vir deste balançar.

Como é bom estar na tua segurança...és tu agora eu sei, como foi que viajei até aqui? Estava com saudades tuas.

Pressinto-te a cada respirar agora e sinto-me a crescer tão rápido!

O baloiço está a parar...a força já não é a mesma desses teus braços,mas não desistes.

Pára!!!

Deixa-me ser eu a empurrar agora, são tantas imagens de amor que percorrem os meus olhos.

Agora deixa-me ser eu a balançar-te para a frente um pouco...

Foram tantas as tuas batalhas travadas por mim, que este é o meu momento de te empurrar...

Vês aquele ponto no céu? aquele aquele,ali...tenta tocar-lhe, sei que parece ainda longe, eu sei!Mas vais conseguir, eu estou aqui e o chão não vai estar ao teu alcance dos pés.

São tantas as margens que nos impedem de desejar o tempo e são tantos os buracos que procuramos refugio...não quero mais, hoje vais voar. Nada de labirintos e de esconderijos teus, tu que sabes tanto de mim, tu que me compreendes com um olhar...tu!

Baloiço-te hoje e para sempre, chega de te esforçares desta forma, não é urgente chegar ali...quero só que vivas com intensidade que me ensinas-te.

Amo-te para sempre como tudo ao redor de ti que criaste, esse teu coração quente e forte venceu todos os dragões que procuraram deitar-te a abaixo.

Foste o meu hino de alegria durante todo este meu crescimento, serás ainda muito mais e por muito mais tempo...porque preciso de ti. Mas hoje abraça este meu calor que é o teu...que é o teu.

Também eu quero chorar, mas algo me tapou e bloqueou esse circuito...quem sabe foi a mesma razão que te bloqueou a ti. Mas os caminhos da noite não são tão longos como os lugares dos dias...


Não são tão longos.


Os dias vão soprar tão forte nas tuas asas cansadas que nem esse cansaço te vai segurar no chão e então quando sentires a brisa de novo a sustentar-te, vais perceber que a vida continua a precisar de ti.

...essa vida sou eu.










Frequência de Vida: Mafalda Veiga - "Imortais"




quarta-feira, 25 de junho de 2008

E se...o Tempo não tivesse asas!

As brisas andam estranhas e ferozes a cada entardecer.

Não são brisas de frescura que percorrem os traços do meu rosto...aquela sensação de reabilitação diária está enevoada e os traços de luz custam a passar entre as partículas de matéria desmotivada e esvoaçada em pedaços.


O tempo parece não querer ter asas...


Mas tem!


Onde penso no bater lento destas quase como em forma de planeamento suave, sinto um bater forte e rápido sem aquela calma saudável e perspicaz!


O tempo quase que teima em me anular nos circuitos e distâncias mais audazes deste ser que sou eu.

Estas asas que me mostra não estão fortalecidas para um voo forte e rápido no tempo...


Mas o tempo tem asas!


E como ele gosta de as bater fortemente para que voe bem rápido.

Será um sentimento enganoso, mas sinto o tempo a voar numas asas que não são as dele...quase como que se enganando a ele próprio querendo chegar a algum lugar que...talvez nem ele sabe onde fica.


São correntes fortes onde estas asas batem...e como batem estas asas.


Os traços de todos os rostos andam cansados, cansados, cansados.


Interpelaria o tempo se conseguisse como uma única questão...


" - E se tu não tivesses asas?"


Mas que seria o tempo sem estas asas que colocamos nele...as asas que sou eu, que és tu! E então a melhor resposta que poderia ouvir dele seria...


"-Não voarias..."


"-Reinventa-te...és um Ser Humano capacitado para, ser realizável este desafio de Vida"


Nunca será fácil reinventar-me, mas é um tanto tentador como que alucinante conseguir sustentar-me neste desafio tão simples que complica tudo!


Estes traços de rostos cansados que visualizo no caminho estão a reabilitar-me. Não os quero ver assim...


Não me quero ver assim.


Quando o tempo não tiver asas...eu vou amarrar uma corda forte para o absorver, uma corda que o sustenha nas tempestades, mas que não o magoe e o faça sofrer.


Este tempo és tu...sou eu, não o quero magoado e triste de sofrimento.






Abraço e Beijinhos...Estava com saudades disto, deste sentimento de libertação.



Frequência de Vida:

Brandi Carlile - The Story

quarta-feira, 28 de maio de 2008

"Para ti...Padrinho...Mano...Amigo" A leveza de um sopro…

O tempo vai passando, as horas vão dando o seu sinal e o mundo vai fazendo a sua rotação diária…


Elementos que constituem este mundo vão lutando pela sua sobrevivência e pela sobrevivência alheia. Construindo-se, crescendo, aprendendo, realizando o seu plano…

Mas quantas vezes esse mundo que tem o seu próprio ciclo PARECE andar ao contrario? Quantas vezes não paramos pensando que nada vale a pena na nossa vida? Que tudo parece se quebrar ao mínimo toque que possamos fazer? Passos insertos tentamos construir na nossa mente abusando da sorte de continuarmos parados neste mundo que continua incessantemente a girar sem retorno, sem ter de nós um passo exacto e firme.

Pois é, são esses passos insertos que nos fazem tropeçar em cada mínima saliência que a vida nos coloca no caminho…

Se a vida é feita para ser vivida incessantemente e tentarmos sugar todo o tutano que ela nos oferece porquê dar passos insertos? Colhe os botões de rosa que hoje te sorrirem , pois amanha poderão estar moribundos… quantos ensinamentos ouvimos todos os dias e certamente os damos, e quantas vezes é que estamos dispostos a cumpri-los? Quantas vezes é que estamos de braços abertos, com Ele assim o fez, ate mesmo no dia do seu julgamento para acolher tudo o que Ele tem reservado para nós?

Fica a certeza de que nós, raça humana, com tanto para dar, com as melhores características: movimento, sentimentos, alma, coração… ainda não sabemos o que é a vida na sua plenitude.

Assim como tantos, também caíste, junto a ti levaste todas as tuas ancoras que mesmo assim tentando, sabe-se lá como, agarram-te… noites que não passam, dias sem qualquer noticia, que nos levavam à loucura de te ver em sítios imagináveis, ouvir o sussurro do teu tom de voz no murmúrio de múltiplas vozes da multidão, imagens destorcidas pelo tempo do teu sorriso, do teu abraço, da tua mão, em memorias que doem pela ausência de tempos reais nelas. Quando me disseste que te tinha comigo e que tinha uma responsabilidade em minhas mãos, já tinha assumido a muito tempo essa responsabilidade porque te amo e irei contigo onde fores como se de uma parte integral de ti se tratasse, se sofri? Sim sofri muito mesmo nunca me senti tão impotente, sem saber o que fazer… noites a dar voltas na cama sem uma certeza, sem ter um pouquinho de ti… doeu. Sei que sofrerei ainda mais pois conheço bem as responsabilidades que carrego em cada olhar que me é concebido. E conheço bem o que é sentir que somos um. E sei que tb eu se cair levarei muita gente atrás, e elas tb serão ancoras para mim.

Não me nego nem por nada deste mundo a este sentimento que por vezes me corrói, pois depois o sopro é sempre mais leve e a alegria é sempre maior se te ouvir dizer “saÍ do casulo”

É verdade mano a lagarta fecha-se no seu casulo para se desenvolver e sair na beleza de uma borboleta, e sei que por vezes temos de nos fechar no nosso próprio casulo, mas ao contrario do ciclo da borboleta, nós devemos sempre deixar uma réstia aberta para que os nossos anjinhos da guarda poderem sempre olhar por nós. Embora consigamos sair de lá numa outra situação podemos estar tão presos que a saída se torna nula.

Hoje foi como se o sol voltasse a brilhar, ouvi palavras de força, palavras que fizeram com que as pernas tremessem e o coração saltasse… finalmente era o meu mano que estava do outro lado falar-me e a dirigir-me palavras de conforto… senti que todo o sofrimento tinha valido a pena e que o “ritual” não se desfez, depois da tristeza vem a alegria maior… uma paz iluminou depois de algum tempo de sombra em que nada sabia se não: “não te preocupes demasiado” algo que n gostava nada de ouvir e era algo evitado pois seria impossível de o fazer.

Uma luzinha de esperança…

Estas comigo… e sempre estarás

E Ele está e estará em nós.

Não vou parar de te olhar

Não me escondas tuas lágrimas como não me escondes o teu sorriso…

Amo-te muito meu maninho do coração.

És muito em mim sabes?

Não me abandones nunca.

Um grande Abraço mano

Frequência de vida para ti maninho, por te ver nela e por me refugiar nela quando estas mais ausente, encontrando-te nela “É isso ai” de Ana Carolina e Seu Jorge.





Nuwanda

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Perto de...me perder.

Que lugar é este?
Não te conheço, não encontro nada parecido com qualquer pormenor visto noutro local vivido.

Onde me queres levar? Onde pretendes mostrar-me a saída?

Estes não são os caminhos que me tinhas prometido, não são estas as realidades que me ofereceste em sonhos tão meus...mas fabricados pela Tua mão!

Desconheço este chão que piso, não entendo as razões nem a Tua indiferença perante tal cenário montada assim como que por mãos feias e vorazes de alma e carinho.
Não visualizo as questões sequer para as conseguir tentar colocar...que se passa?

Encontro-me sustentado quase por um fio de ténue resistência...perto de me perder em destroços, onde outrora eram sustentações fortes do meu ser.


Queria sentir as imagens que me ajudaste a fabricar, sentir o sabor e mais...prova-las com o cheiro da presença e as palpitações da vivência delas.

Não pode voltar a acontecer memórias esquecidas naquela caixa selada com o esquecimento.


Tinhas prometido que esta era a chave e o código mais difícil de abrir e nada iria conseguir lá chegar.









Não me faças destruir aos poucos porque não sou mais uma criança que não percebe o que se passa à sua volta e vai doer muito...

Peço-Te!







terça-feira, 20 de maio de 2008

Porquê Permanecer Aqui?

Qual a verdadeira razão de uma persistência? Mesmo que simples que ela seja?

Em que ponto acentuas tu a tua força para lutar sem limites? Se a inconstância das tuas certezas te fogem por entre os dedos de uma mão fechada. Estarás tu impossibilitado de cerrar por completo esta mão de qualquer fuga?

Ou sentes-te incapacitado de proteger a tua própria fragilidade!

Talvez não exista fragilidade em algo especial como tu. Mas de novo que algo especial és tu, afinal?

Tantas pegadas que as ondas não conseguem apagar e tu...não percebes o porque de permanecer aqui, assim à espera que elas desapareçam.

Parece que queres ser o mar, para que assim de uma forma mais forte conseguisses apagar todas estas pegadas que de tão profundas não desaparecem.

...e nunca iram desaparecer, já vais percebendo com o passar das ondas.

Perguntas-te repetidamente do porquê continuar aqui, neste canto que parece teres feito ninho e estagnado numa ânsia obsoleta de estar protegido e seguro de tudo.

Mas a verdade é que estás seguro do nada!E apetece-te virar as costas a tudo e partir.

Forte esta palavra não é? Mas é interessante. Assim como que passando por uma palavra vã e sem interesse de dádiva e afrontamento pessoal, ela mostra-te que estás errado. Afinal para ela surgir é porque houve relevância suficiente para a expores ou te ser aferida à tua pessoa.






Quando pensas que o Mundo nada espera de ti, afinal percebes que para ele não esperar nada de ti é porque na verdade conta contigo, mais que não seja para estares calado ou te rebaixar.
Mas esta palavra é tão forte que consegue dar-te a coragem para tudo se quiseres, afinal se o Mundo nada espera de ti, vais ter que lhe provar que está errado e então cresces e percebes que afinal...afinal o Mundo só te quer provocar e fazer-te acordar para ele.

Porquê permanecer aqui. Aqui longe de mim, quando estou tão perto como o odor deste meu próprio corpo que deambulo pelas ruas.


Porquê?




A Frequência de Vida de Hoje é esta:



Coldplay - See You Soon